1 de set de 2011

DESCRIÇÃO

          É a ação que você toma de descrever, mostrar os detalhes de alguma coisa ou pessoa. É o ato de contar minuciosamente como é uma situação, um ambiente, uma lembrança, uma pessoa, até mesmo um estado emocional. Então, sempre que você expõe com detalhes um objeto, uma pessoa ou uma paisagem a alguém, está fazendo uso da descrição. 
 
            Assim, para se fazer uma boa descrição, não é necessário que seja perfeita, uma vez que o ponto de vista do observador varia de acordo com seu grau de percepção. Dessa forma, o que será importante ser analisado para um, não será para outro. A vivência de quem descreve também influencia na hora de transmitir a impressão alcançada sobre determinado objeto, pessoa, animal, cena, ambiente, emoção vivida ou sentimento. Uma mesma pessoa pode parecer bonita para um e feia para outro; alguns podem considerá-la simpática e outros  podem achar que é antipática.
 
            Os pormenores são essenciais para se distinguir um determinado momento de qualquer outro; desse modo, a presença de adjetivos e locuções adjetivas é traço distinto de um texto descritivo. 
 
            Quando for descrever verbalmente, tenha sutileza ao transmitir e leve em consideração, de acordo com o fato, objeto ou pessoa analisada: 

a) as cores; b) altura; c) comprimento; d) dimensões; e) características físicas; f) características psicológicas; g) sensação térmica; h) tempo e clima; i) vegetação; j) perspectiva espacial; l) peso; m) textura; n) utilidade; o) localização; e assim por diante. 
 
            Claro, tudo vai depender do que está sendo descrito. Em uma paisagem, por exemplo, a descrição poderá considerar: a posição geográfica (norte, sul, leste, oeste); o clima (úmido, seco); tipo (rural, urbana); a sensação térmica (calor, frio) e se existem casas, árvores, rios, etc. 
 

Veja no exemplo: 
 

“Da janela de seu quarto podia ver o mar. Estava calmo e, por isso, parecia até mais azul. A maresia inundava seu cantinho de descanso e arrepiava seu corpo...estava muito frio, ela sentia, mas não queria fechar a entrada daquela sensação boa. Ao norte, a ilha que mais gostava de ir, era só um pedacinho de terra iluminado pelos últimos raios solares do final daquela tarde; estava longe...longe! Não sabia como agradecer a Deus, morava em um paraíso!” 


Observe o tempo verbal da descrição (é muito comum, dentro de um texto narrativo, a descrição aparecer com os verbos no pretérito imperfeito do indicativo – podia ver, estava, parecia, inundava etc.)

            A sensação que o leitor ou ouvinte tem que ter em uma descrição é de que foi transportado para o local da narração descritiva. Da mesma forma, quando um objeto é descrito, o interlocutor dever ter a sensação de que está vendo aquele sofá ou aquela xícara. 
 

Por fim, vejamos a seguir os dois tipos de descrição existentes: 
 

 Descrição objetiva: acontece quando o que é descrito apresenta-se de forma direta, simples, concreta, como realmente é. Este tipo de descrição aparece, geralmente, em classificados de jornais, anúncios de imobiliárias, concessionárias de veículos. Exemplos: 
 
a) O objeto tem 3 metros de diâmetro, é cinza claro, pesa 1 tonelada e será utilizado na fabricação de fraldas descartáveis. 
 
b) Ana tem 1,80, pele morena, olhos castanhos claros, cabelos castanhos escuros e lisos e pesa 65 kg. É modelo desde os 15 anos. 



Descrição subjetiva: ocorre quando há emoção por parte de quem descreve, ou quando se considera sentimentos e emoções na hora de descrever: 
 
a) Era doce, calma e respeitava muito aos pais. Porém, comigo, não tinha pudores: era arisca e maliciosa, mas isso não me incomodava. 

b) Com um olhar meigo, voz impregnada de amor, jeito generoso de tratar as pessoas, minha mãe era uma pessoa especial.

c) Parecia que tinha um vulcão interior sempre em erupção. Nervoso, malcriado, cruel. Era mesmo insuportável.

            Na descrição subjetiva há interferência emocional por parte do interlocutor a respeito do que observa, analisa. 
 

A descrição dentro do texto narrativo

            Praticamente todos os textos narrativos trazem trechos descritivos. Para identificá-los, preste atenção às dicas:

a)      O texto narrativo traz uma sequência cronológica de fatos, existe ação, movimento. A descrição faz o texto parar para observar uma cena, uma pessoa ou situação. Quando entra o trecho descritivo, a narração para para observar.

b)      Geralmente, a descrição  é marcada pela presença de adjetivos e dos verbos de ligação (ser, permanecer, estar).

c)      Algumas vezes, a descrição é visível quando se nota que o tempo verbal do texto passa  para o pretérito imperfeito do indicativo (Era, estava, corria etc.).


Para saber se fez uma excelente narração descritiva, releia o texto que produziu. Se conseguir visualizar  o que descreveu, então está bom. Se preferir (melhor assim),a leia o texto para outra pessoa e pergunte se consegue imaginar o que você descreveu, para confirmar a qualidade de sua descrição.

            Numa narrativa, é a riqueza de detalhes da descrição que dá veracidade à ficção, o que enriquece a história.



Referências:

VILARINHO, Sabrina. "Descrição"; Brasil Escola. Disponível em . Acesso em 05 jan. 2011. 

SOUZA, Diego Lucas Nunes de. Descrição. Apostila de Redação e estudos linguísticos - Módulo II.  Cataguases, 2011, p. 15 - 16.

0 comentários:

.